365 dias que descobri o sorriso dele


Você pode ler ao som de "Use Somebody - Kings Of Leon"

Eu poderia dizer que me apaixonei à primeira vista por ele, ou que respondi as suas mensagens rapidamente, como um médico que tenta salvar a vida do paciente. Mas essa não é a verdade, talvez meia verdade, porque assim que eu o vi, sentado no hall de entrada me esperando, lá no fundo eu sabia que aquele sorriso seria a consequência dos meus sorrisos futuros. Eu não sabia o que iria acontecer. A gente nunca sabe. Muito fácil se apaixonar por alguém que fica atrás de uma tela, e eu me apaixonei rapidinho. 

A discografia dele era a mesma que a minha, e por milhões de vezes, Djavan se fez presente em minhas indiretas sem efeito. Quando percebemos deixamos de ser singular pra ser plural. Deixamos de ser tudo pra ser só nós, tipo Marshall e Lily da série que ele ama e que eu, bom isso a gente deixa pra lá (mas fique sabendo que Friends é melhor e sempre vou defendê-los). 

Eu gostaria de lembrar da roupa em que ele usava no nosso primeiro "não-encontro" ou de ter escolhido o molho certo do macarrão. Mas eu sei que se isso acontecesse, não teríamos mais uma história engraçada e ele não teria notado, que sou desastrada e que isso me faz ser única. Nesses 365 dias que descobri o sorriso dele, parei de acreditar em amores literários e comecei a acreditar em amores reais. Amor que eu tenho dentro de casa e dentro do coração dele. 

Nesses 365 dias ao lado dele percebi que meu coração frio, decidiu ser primavera e que a cada sorriso dele, novos brotinhos de flores nascem. Descobri que minha cama é gigante sem ele e no quanto eu sinto saudade de deixar meu cheiro em teu peito. Descobri que séries e filmes ficam melhores se assistidas em companhia e que tudo fica bem se ele estiver junto, sabe, tipo aquela música “mas se a gente vai juntinho vai bem”. Percebi que todas as minhas palavras com efeito, ficam sem efeitos quando tento explicar esse amor que nasce aqui dentro todos os dias. 

Descobrimos juntos que dormir de conchinha dura no máximo três minutos e que depois disso é cada um pra seu lado. Descobrimos que nossos dedos se enlaçam alguns segundos depois disso. Descobri que ficar brava é a coisa mais engraçada da vida, e que adoro o jeito que inventamos pra fazer as pazes. Descobrimos que temos nossas falhas e que, com elas, aprendemos e crescemos juntos. Descobrimos ao passarmos por momentos difíceis que nem sempre falar é o melhor remédio, mas sim, um abraço apertado e um espacinho do peito pra repousar a cabeça e chorar. 

Descobri nele um coração puro e no fim, me descobri. Quando vimos, já estávamos sonhando juntos e colocando o outro no sonho que um dia, era sonho pra uma pessoa só. Descobri nele, a minha pessoa, o meu McDreamy, o meu lobster e o meu melhor amigo. Nesses últimos 365 dias, antes de dormir, agradeci a Deus por ter feito nossos mundos se encontrarem, por ter conhecido alguém que me fez ser furacão quando o que eu queria era ser marolinha, porque lá no fundo, sempre tive medo de me afogar. Eu me apaixono por ele todos os dias, só queria mesmo que ele soubesse disso. 

Por isso, hoje, depois de 365 dias, ainda te peço, continue fazendo do meu coração a tua casa. Não te prometo que todos os dias serão floridos, mas sei que juntos, podemos recolher as folhas que caem no outono e pensar numa primavera próspera. 


O que achou do texto? Deixe seu comentário e leia mais textos da Laís Happel aqui.

Você pode gostar também

0 comentários

Deixe sua opinião! Amamos entrar em contato com vocês.