Talvez hoje


Você pode ler ouvindo Carry you home.

Talvez hoje, você tenha medo de amar. Talvez hoje, você olhe as fotos tiradas na festa de formatura e se questiona, qual rumo a sua vida tomou. 

Talvez hoje, ao chegar em casa, você vai tomar uma ducha, enquanto a água doce se mistura com a gosto salgado originados das lágrimas que insistem em cair nesse rosto tão lindo.

Talvez hoje, você prepare um jantar diferente e arrume a mesa para dois. Mesmo que esteja sozinha. 

Hoje você vai lembrar do quanto o abraço era bom, e no quanto as juras de amor pareciam ser sinceras. Hoje você vai colocar aquela música, e vai deixar tocar, não vai mudar, nem trocar por uma mais agitada. Hoje você pode comer brigadeiro e assistir aquele filme bem romântico, que te faz questionar se realmente existe homens desse tipo.

E sabe, nós nunca sabemos se eles realmente existem. Mas hoje, você pode se iludir. Hoje você pode mudar o nome dele na agenda do telefone, mas amanhã você vai apagar. O nome, apelido e telefone. O contato todo. Hoje você vai se permitir sofrer. Vai chorar até a garganta doer, e então você vai sorrir, por ter chorado tanto. Hoje, você vai escrever uma carta para você. Vai contar nessa carta tudo o que sente, tudo o que pensa - estou falando sério, escreva. Amanhã você lerá em alto e bom tom, na frente do espelho, acordando os vizinhos, com tudo o que sente e que passou para o papel. 

Amanhã, você vai abrir seu coração para o amor e para as novas oportunidades que a vida te oferece. Mas hoje, apenas hoje, você pode chorar. Grite se for necessário. Mas amanhã, esqueça. Você vai se frustrar, mas com cada frustração aprenda, que o relacionamento não aconteceu porque não tinha como acontecer, não por culpa tua. Não se culpe por cada tropeço. 

Não finja felicidade. Se alguém perguntar se tá tudo bem, responda não. Não sinta medo em falar a verdade, não sinta vergonha de você. Fique de luto, mas não morra de saudades.  Fique sozinha, mas não distante do mundo. Peça tempo, mas não deixe que o tempo te peça uma chance para voltar ao passado. E você vai querer voltar. Sempre vai querer voltar. 

Até encontrar alguém que te faça perceber que viver no passado é uma perda de tempo. As lembranças boas, essa você guarda. Pode até colocar em uma caixinha toda enfeitada. Mas não queira viver novamente o que passou. Pense no que vai viver. Alegre-se, acredite no amor - mesmo que você prefira topar com um gato preto numa sexta-feira treze, do que acreditar que ele realmente existe. 

A vida é uma caixinha de surpresas que só pode ser aberta se você se permitir sentir. Permita-se. Hoje tudo pode parecer sem sentido, mas te juro que o amanhã te trará flores que hoje te parecem murchas. 

Acredite. 


Você pode gostar também

1 comentários

  1. Lali, de verdade, muito obrigada por esse texto. Acho que vou ler toda manhã. ❤

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião! Amamos entrar em contato com vocês.