Vinho barato à luz de saudade


Eu jurei pra mim mesma que não escreveria sobre você, nem se quer uma vez. Afinal, nossa história não deveria ser contada a ninguém. Mas, olha eu aqui. Eu e minha taça cheia de vinho barato do mercado da esquina. 

Vamos começar pelo começo, como todo bom clichê. Desde o primeiro momento que ficamos, eu sabia que nunca daríamos certo, apesar do meu horóscopo dizer que você é meu paraíso astral e que a nossa combinação é totalmente “segura e confiável”, pois somos signos da terra. A gente não concorda em um só ponto. Eu juro juradinho que gostaria muito de saber seu ascendente, só para confirmar minhas suspeitas, mas você acha astrologia bobeira demais.

As coisas aconteceram tão rápido que eu não sabia onde estava e o que estava fazendo. Tudo foi fluindo de forma tão estranha que eu fiquei desesperada. Para complicar o total desastre, você foi o único cara gentil e agradável que eu conheci. Me respeitou do início ao fim, me ligou várias vezes apenas para perguntar como estava sendo o meu dia e mal sabia que um sorriso brotava em meu rosto cada vez que eu via seu nome na tela. 

Eu não sei lidar com isso, até hoje não sei me controlar e não sei reagir. Passei tantos anos conhecendo caras babacas, que já não acreditava mais ser possível existir uma pessoa como você: era “conto de fadas” demais para mim. Esse amor simples e verdadeiro, esse cuidado e carinho eram inacreditáveis. Mas como minha melhor amiga disse: “nem todo cara é escroto”. E, como velho e bom clichê que somos, eu fiz exatamente o que as mocinhas amedrontadas e desiludidas fazem.

Exatamente isso, eu fugi. Fugi porque sou covarde. Fugi porque jurava que algo de errado não estava certo. Fugi porque “desilusão amorosa” é praticamente meu sobrenome do meio. E precisei perder realmente para dar valor (outro clichê, que novidade). Precisei me afastar para perceber que ao seu lado é o melhor lugar que eu posso estar. Que o meu mundo só está completo quando eu estou dentro do seu abraço. Pode rir, eu sei que você vai chorar e sorrir da minha cara por ter demorado tanto tempo para perceber algo que você havia dito várias vezes.

Então, para terminar esse textinho de amor - do jeitinho que eu sei que você vai amar - venho te falar exatamente isso: que te amo e que por mais que eu lute contra esse sentimento, nada, ninguém, nem qualquer distância do mundo seria capaz de mudar isso.

Você pode gostar também

0 comentários

Deixe sua opinião! Amamos entrar em contato com vocês.